domingo, 15 de abril de 2018

Todo o azul

Foto que tirei numa manhã linda, em Copacabana, no Rio de Janeiro, há alguns dias. O banho de mar me revitaliza, apreciá-lo e ouvi-lo me revitaliza mais ainda. Em dias tão sombrios no mundo, foi bom estar rodeada por tanto azul...

sábado, 17 de março de 2018

Uma cafeteria pra chamar de minha



 Estou lendo "O Labirinto dos Espíritos", de Carlos Ruiz Zafon, um dos meus autores prediletos.  E hoje, ao ler sobre a personagem em um café e  em como ela "tinha esquecido como gostava de de começar o dia observando as mudanças de cenografia do presépio em movimento da vida pública (...) enquanto se deleitava com a geleia de morango e derramava meia hora como se tivesse tempo de sobra" vi que esse relato retrata bem o porquê de eu apreciar tanto cafeterias: a calma, as doçuras, o convite para a demora, para a observação, para o vagar de ideias...

Nessa semana encontrarei duas amigas, em dias alternados, e marquei em dois dos cafés diferentes (raros) que tenho no entorno do meu trabalho.  Pertinho da minha casa não há nenhuma cafeteria, só padarias, que para mim, não ofertam o que preciso. 

As fotos deste post tirei no Café Majestic, em Porto/Portugal, numa manhã do mês passado (já me soa tão distante esta manhã!).Sim, é um lugar turístico e caro, mas eu quis conhecer pela arquitetura e história do local (e para provar as deliciosas  rabanadas de lá, que não me levaram à ruína financeira, afinal). E pude me demorar e observar e me sentir contente pelos caminhos que até ali me levaram.

Hoje não irei a nenhum café, mas no momento sonho em ter uma cafeteria  a poucos passos de casa. Não precisará ser um Café Majestic, mas certamente não será por aqui... Enquanto isso, viajo em busca de cafeterias e outros locais (e pessoas) que mereçam minhas demoras...





sábado, 10 de março de 2018

Alvoradas

Essa foto tirei chegando em Gênova, Itália, numa manhã de inverno. Um dos alvorecer mais lindo que já vi, senão o mais lindo. Estava num navio, num cruzeiro pelo mediterrâneo e um dos meus programas obrigatórios era ver o sol nascer e se por a cada dia, o que era certeza de um espetáculo garantido. Mas esse amanhecer em Gênova me surpreendeu e me marcou. Por isso, posto-o aqui, pois as belezas da vida merecem ser partilhadas.

domingo, 4 de março de 2018

Mercados



Mercados são para mim uma imersão cultural numa cidade, com suas cores, cheiros, sabores. Sempre os incluo nos meus roteiros e, quando preciso viajar na minha própria cidade, visito o Mercado Municipal, em Belo Horizonte.

Abaixo, fotos do La Boqueria, em Barcelona, que revisitei em fevereiro deste ano.



 E agora, fotos que tirei no Bolhão, em Porto.



domingo, 25 de fevereiro de 2018

Casas

Voltei de férias há pouco mais de uma semana. E a cada volta tem sido mais difícil  me sentir em casa no Brasil. Dentro do meu apartamento até me sinto bem, já que em casa busco me  cercar do que me agrada. Mas basta receber uma notícia sobre a política brasileira (não vejo TV aberta há tempos, mas as notícias más insistem em chegar através dos mais variados veículos de informação), sair às ruas  me sentindo tensa frente à violência urbana e lidar com maus profissionais no trabalho para me perguntar: o que estou fazendo aqui? Bem, estou aqui pelos meus familiares, amigos, pelos meus pacientes...Todavia, cada vez mais quero estar fora daqui, do Brasil. A médio prazo, porém, não vejo isso ainda como algo possível. A longo prazo, certamente.

A imagem acima reflete um pouco da vista da janela do quarto do apartamento que aluguei (pelo Airbnb) em Porto, Portugal,  e  foi tirada num momento em que eu estava lá fora, mas me sentindo plenamente "em casa".

domingo, 21 de janeiro de 2018

Pela estrada afora

As fotos nesse post foram tiradas pela janela de um carro, enquanto se atravessava a região do Douro, ao norte de Portugal.  Ao viajar de carro sou sempre passageira: uma admiradora de janelas. Meu olhar se perde pelas paisagens e isso, por si só, já é para mim uma grande viagem e alegria. Aquela história de aproveitar o percurso e não apenas o destino final.

Prefiro trens a carros, porém,  e aqui no Brasil é difícil usufruir dessa minha preferência. Por isso, quando viajo para o exterior, sempre escolho fazer deslocamentos de trem, quando possível. Descobri recentemente que sou mesmo uma amante do "slow travel", o viajar sem pressa na tentativa de se conectar mais com o que será visitado.Cada vez mais tento viajar com mais calma e mais profundidade, dentro do tempo que tenho disponível.Estou preparando as malas rumo a novas paisagens. Estarei cerca de um mês longe do blog, mas vivenciando histórias que poderão ser transcritas e retratadas aqui futuramente.E deixando o álbum de minhas lembranças repleto de lindas imagens!









sábado, 13 de janeiro de 2018

Recantos em Lisboa

 Lisboa, assim como Roma, é uma cidade que não canso de visitar, seja intencionalmente, seja para aproveitar o tempo entre conexões quando vou à Europa pela Tap (única companhia aérea que parte direto de Belo Horizonte para a Europa, por isso adoro quando a passagem pela Tap está mais em conta porque me poupa o tempo e desgaste de ter que ir ao Rio de Janeiro ou São Paulo, cidades de onde partem a maioria dos vôos internacionais no Brasil). Revisitarei Lisboa e Roma daqui a alguns dias e sempre tem coisas que ainda não vi por lá, e aqueles lugares que quero repetir. Neste post, deixo imagens tiradas numa caminhada à tarde em Lisboa, em outubro passado, numa região menos frequentada pela maioria dos turistas, no entorno do Museu de Arte Antiga.





domingo, 7 de janeiro de 2018

Penela, Portugal


Sou fascinada por lugares históricos, ruínas, e, sobretudo, castelos. Esse das imagens fica em Penela, Portugal. Uma cidadezinha próxima a Coimbra que tive o privilégio de visitar, pernoitar (num local simples e limpíssimo, que me pareceu ser a único alojamento do local, anexo a um Café chamado "O Bigodes", onde comi uma comida deliciosa, farta e barata!)  e saborear suas ruas sem turistas, num domingo à noite e uma segunda pela manhã. Como fui ao Castelo logo cedo, ninguém mais estava lá e pude observar o sol chegando na manhã outonal, em silêncio. Como amo o silêncio e como é cada vez mais difícil encontrá-lo! Quando deixei o castelo, a cidade já começa a acordar. Daí parei à porta da igreja e passei a observar os raros transeuntes, sobretudo moradores, e sentir a cidade, mais do que simplesmente visitá-la.








sábado, 30 de dezembro de 2017

Travessias


2017 se despede...

No balanço desse ano, tenho muito pelo o que agradecer. Aliás, é nessa vibração que procurei estar em todo ano e quero levar para 2018: gratidão. Tenho muitas bençãos para celebrar e muitos aprendizados decorrentes dos momentos que não foram como eu esperava. Hoje fiz um exercício de avaliação do ano, pensando no que desejo mudar em mim, redigindo uma lista de gratidão e fazendo uma outra com sete desejos para 2018, lista esta que tive dificuldade de preencher simplesmente porque sinto que não tenho tantas demandas para o novo ano... Enfim, estou em contentamento! Não é ótimo fechar um ano assim?

Então, cruzo a ponte para 2018 de forma leve, serena e contente, apesar dos pesares! E estas levezas, serenidade e contentamento são o que desejo a todos!

sábado, 23 de dezembro de 2017

Mensagem de Natal


Deixo aqui meu poema natalino!Ótimas festas!


Natal  feliz
Luciane  Couto

Talvez  falte
Aquele  abraço  da infância
E as pessoas  que se foram
Antes do tempo
Porque no nosso  tempo
Queremos  ter pertinho  sempre
Quem estimamos.

Talvez o balanço  do ano
Mostre mais lágrimas  que pretendíamos
E mais pendências  do que quando o iniciamos.

Talvez tenhamos  cumprido
Pouquíssimos dos objetivos listados
E tenhamos sido pouco generosos.

Mas é Natal
E com ele nos lembramos
Que há  Luz
Que há meninos e meninas  vindo ao mundo
Para tentarem  deixá - lo melhor
Que há outros abraços quentes
Interrompendo  rotinas  corridas
Que há  o sorriso fortuito
Provocado por palavras  calorosas
Ditas, digitadas  ou
Ainda
Manuscritas
Que há  chance  de reformular objetivos
Ou retomar os abandonados
Ou simplesmente  deixar  de correr
Atrás  do que virá
E estar contente  pelo o que aqui está
No agora
Dentro
Fora
Mesmo  que sem laços
E grandes requintes.

Esqueça  o talvez
E faltas
E se deixe abraçar  pela poesia
Família
Alegria
Simpatia
Magia.
Deixe
E, de repente
Torna -se
Natal
E também  é  estrela
Beleza
Sutileza.
É.