domingo, 21 de janeiro de 2018

Pela estrada afora

As fotos nesse post foram tiradas pela janela de um carro, enquanto se atravessava a região do Douro, ao norte de Portugal.  Ao viajar de carro sou sempre passageira: uma admiradora de janelas. Meu olhar se perde pelas paisagens e isso, por si só, já é para mim uma grande viagem e alegria. Aquela história de aproveitar o percurso e não apenas o destino final.

Prefiro trens a carros, porém,  e aqui no Brasil é difícil usufruir dessa minha preferência. Por isso, quando viajo para o exterior, sempre escolho fazer deslocamentos de trem, quando possível. Descobri recentemente que sou mesmo uma amante do "slow travel", o viajar sem pressa na tentativa de se conectar mais com o que será visitado.Cada vez mais tento viajar com mais calma e mais profundidade, dentro do tempo que tenho disponível.Estou preparando as malas rumo a novas paisagens. Estarei cerca de um mês longe do blog, mas vivenciando histórias que poderão ser transcritas e retratadas aqui futuramente.E deixando o álbum de minhas lembranças repleto de lindas imagens!









sábado, 13 de janeiro de 2018

Recantos em Lisboa

 Lisboa, assim como Roma, é uma cidade que não canso de visitar, seja intencionalmente, seja para aproveitar o tempo entre conexões quando vou à Europa pela Tap (única companhia aérea que parte direto de Belo Horizonte para a Europa, por isso adoro quando a passagem pela Tap está mais em conta porque me poupa o tempo e desgaste de ter que ir ao Rio de Janeiro ou São Paulo, cidades de onde partem a maioria dos vôos internacionais no Brasil). Revisitarei Lisboa e Roma daqui a alguns dias e sempre tem coisas que ainda não vi por lá, e aqueles lugares que quero repetir. Neste post, deixo imagens tiradas numa caminhada à tarde em Lisboa, em outubro passado, numa região menos frequentada pela maioria dos turistas, no entorno do Museu de Arte Antiga.





domingo, 7 de janeiro de 2018

Penela, Portugal


Sou fascinada por lugares históricos, ruínas, e, sobretudo, castelos. Esse das imagens fica em Penela, Portugal. Uma cidadezinha próxima a Coimbra que tive o privilégio de visitar, pernoitar (num local simples e limpíssimo, que me pareceu ser a único alojamento do local, anexo a um Café chamado "O Bigodes", onde comi uma comida deliciosa, farta e barata!)  e saborear suas ruas sem turistas, num domingo à noite e uma segunda pela manhã. Como fui ao Castelo logo cedo, ninguém mais estava lá e pude observar o sol chegando na manhã outonal, em silêncio. Como amo o silêncio e como é cada vez mais difícil encontrá-lo! Quando deixei o castelo, a cidade já começa a acordar. Daí parei à porta da igreja e passei a observar os raros transeuntes, sobretudo moradores, e sentir a cidade, mais do que simplesmente visitá-la.








sábado, 30 de dezembro de 2017

Travessias


2017 se despede...

No balanço desse ano, tenho muito pelo o que agradecer. Aliás, é nessa vibração que procurei estar em todo ano e quero levar para 2018: gratidão. Tenho muitas bençãos para celebrar e muitos aprendizados decorrentes dos momentos que não foram como eu esperava. Hoje fiz um exercício de avaliação do ano, pensando no que desejo mudar em mim, redigindo uma lista de gratidão e fazendo uma outra com sete desejos para 2018, lista esta que tive dificuldade de preencher simplesmente porque sinto que não tenho tantas demandas para o novo ano... Enfim, estou em contentamento! Não é ótimo fechar um ano assim?

Então, cruzo a ponte para 2018 de forma leve, serena e contente, apesar dos pesares! E estas levezas, serenidade e contentamento são o que desejo a todos!

sábado, 23 de dezembro de 2017

Mensagem de Natal


Deixo aqui meu poema natalino!Ótimas festas!


Natal  feliz
Luciane  Couto

Talvez  falte
Aquele  abraço  da infância
E as pessoas  que se foram
Antes do tempo
Porque no nosso  tempo
Queremos  ter pertinho  sempre
Quem estimamos.

Talvez o balanço  do ano
Mostre mais lágrimas  que pretendíamos
E mais pendências  do que quando o iniciamos.

Talvez tenhamos  cumprido
Pouquíssimos dos objetivos listados
E tenhamos sido pouco generosos.

Mas é Natal
E com ele nos lembramos
Que há  Luz
Que há meninos e meninas  vindo ao mundo
Para tentarem  deixá - lo melhor
Que há outros abraços quentes
Interrompendo  rotinas  corridas
Que há  o sorriso fortuito
Provocado por palavras  calorosas
Ditas, digitadas  ou
Ainda
Manuscritas
Que há  chance  de reformular objetivos
Ou retomar os abandonados
Ou simplesmente  deixar  de correr
Atrás  do que virá
E estar contente  pelo o que aqui está
No agora
Dentro
Fora
Mesmo  que sem laços
E grandes requintes.

Esqueça  o talvez
E faltas
E se deixe abraçar  pela poesia
Família
Alegria
Simpatia
Magia.
Deixe
E, de repente
Torna -se
Natal
E também  é  estrela
Beleza
Sutileza.
É.

domingo, 10 de dezembro de 2017

Rio Guadiana

 Visitei algumas vilas próximas ao Rio Guadiana,  que faz divisa entre Portugal e Espanha. As fotos aqui foram tiradas às margens do Guadiana, na região do Algarve, Portugal.



domingo, 26 de novembro de 2017

Abandono

 Percorrendo as estradas em Portugal, pude observar uma grande quantidade de casas abandonadas. São casas antigas, certamente cujos donos ou herdeiros não possuem dinheiro e/ou interesse para reformá-las.

Minha mente criativa ficava imaginando quem já teria morado naquelas casas, que alegrias aquelas paredes testemunharam, que tristezas as janelas vedaram...

Pude entrar numa destas casas abandonadas. Era enorme, pé direito altíssimo, com lindas janelas, assoalhos e escadas em nobres madeiras e o tempo corroendo tudo, porém. Soube que por ali passara uma milionária produtora de vinho, irmãos que muito brincaram em suas férias de verão, uma mãe que ensinava o filho a ler (um filho que se tornaria um colecionador e cuidador de livros), homens que muito perderam em jogos no cassino anexo... Por um minuto, fechei os olhos e pude ver ali um menino correndo pelo corredor, feliz e arteiro, sem saber que décadas depois, ele voltaria ali comigo para me contar suas histórias e refazer a história!





sábado, 18 de novembro de 2017

Fim de tarde realmente dourado...



 Não gosto de cerveja, mas adoro vinho. E  meu sonho era passear pela região do Douro, em Portugal, e suas vinícolas: sonho realizado em outubro passado.

Numa tarde de outono, pude contemplar o por do sol às margens do Douro, depois de vislumbrar suas vinhas. Foi-me um momento tocante e inesquecível.

Nas fotos aqui postadas está um pouco do meu olhar em torno de Caldas de Moledo, na região de Peso de Régua.




sábado, 11 de novembro de 2017

Peneda-Gerês, Portugal.

 Pude me hospedar na região do Parque Nacional de Peneda-Gerês, no norte de Portugal. Foram apenas quatro dias, mas distanciada da internet e tão próxima da natureza e silêncio pude me sentir como se tivesse ficado lá por muitos mais dias, de tão descansada e relaxada que fiquei.A região é montanhosa, com um represa e pequenas vilas com suas casas de pedras a salpicarem a paisagem. Conversei com alguns moradores da região e fui tratada com uma enorme gentileza. Até colhi uvas por lá, fazendo minha pequena vindima particular... Enfim, uma daquelas experiências que não viveria se me baseasse apenas em guias de viagem, porém que me foi facultada por uma pessoa que frequenta e conhece bem a região. Gratidão!