domingo, 31 de janeiro de 2010

Saudades de coisas boas da vida

Hoje estava lendo jornal antigo... Isso porquê eu tinha uma assinatura da Folha de São Paulo cujo os dois últimos exemplares chegaram durante minha viagem, e só hoje me habilitei a ficar mais na cama para lê-los: notícias de "ontem" também podem ser oportunas, sobretudo num período onde fiquei tão alheia à mídia. E lá encontrei uma crônica de Danuza Leão, onde ela falava de como eram feitas as ligações telefônicas antigamente e de sua saudade destas e doutras coisas, o que me remeteu imediatamente às minhas próprias saudades. Saudade e recordação foram pautas de minha semana, sobretudo diante de minha alegria ao poder retomar o contato via internet (pelo Orkut e MSN: Santa Tecnologia do Mundo Contemporâneo!!Se fosse no tempo recordado por Danuza isso não seria possível) com uma amiga querida de infãncia, da época que morei no interior de Minas. E o interessante é perceber como os amigos, sobretudo os mais antigos, podem ser tão guardiães de nossas memórias, ajudando a relembrar as experiências vividas, muitas vezes sob um enfoque diferente dos nossos próprios, e a enquadrar melhor as experiências atuais.

E, para algumas sensações, o tempo parece não passar: ainda me sinto aquela meninha, rindo com minha amiga ao observarmos o garotinho bonitinho pela janela da casa dela.

Sim, os gatotos bonitinhos passaram e passarão, mas a amizade, felizmente, permanece...

4 comentários:

  1. Oi Lú.
    Também tenho saudade de umas coisinhas escondidinhas no coração.
    Ela as vezes embalam nossos momentos nostágicos e nos impulsionam a viver novos momentos.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  2. Chove bem no meio do mar
    São de fogo as manhãs na ilha
    A seda púrpura é lençol de amantes
    Os olhos roubam a virtude à maravilha

    Enchi a taça com absinto
    Ergui o braço, toquei uma nuvem carmim
    Ensaiei um passo de dança 
    Senti que os pássaros riam de mim

    Senti o resto da geada em descalços pés
    Calei minha viola de dois corações
    Deixei entrar no peito o tamborilar de perdidas gotas
    Senti o sabor sal das minhas emoções


    Convido-te a partilhar a outra metade


    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  3. Olá! Enfim resolvi dar o ar da graça no teu blog. Concordo com você sobre o valor da amizade. Em todos os momentos de nossa vida são as mizades que nos permitem seguir em frente ou recuar, quando isso se faz necessário. Bjos amiga.

    ResponderExcluir
  4. Amiga Lili,
    Continue dando os ares de sua graça por aqui. Sua amizade me é muito importante, e tanto me ensinou e ensina sobre avanços e recuos oportunos. Beijossssss

    ResponderExcluir

Oi, vou adorar que vocês também compartilhem comigos suas reflexões...